MTA: ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES



ABERTURA
5 NOVEMBRO | SÁBADO | TEATRO-ESTÚDIO ANTÓNIO ASSUNÇÃO

DESFILE ATÉ AO TEATRO | 16H00
DEBANDADA TEATRAL
Banda Filarmónica da Academia
Banda Filarmónica da Incrível Almadense
direção artística de Tiago Pereira

INAUGURAÇÃO | 17H00
MOSTRA.EXPOSIÇÃO
20 ANOS MOSTRA
EXPOSIÇÃO COLECTIVA COMEMORATIVA

HOMENAGEM A VITOR AZEVEDO | 17H30
MOSTRA.HOMENAGEM
OBRIGADA, VITOR AZEVEDO
Grupos de Teatro de Almada
e Câmara Municipal de Almada

Para celebrar em festa o aniversário da Mostra de Teatro de Almada, os elementos dos vários Grupos participantes desfilam pelo centro da cidade, cruzando-se com o som das duas bandas filarmónicas na Rua Capitão Leitão, com destino ao Teatro-Estúdio António Assunção.
A abertura oficial desta edição muito especial tem início às 17 horas com a inauguração de uma exposição colectiva constituída por objectos escolhidos pelos Grupos de Teatro que evocam as memórias passadas.
Segue-se um momento de homenagem a Vítor Azevedo, uma figura incontornável do teatro em Almada.
O programa da noite passa simbolicamente pelo Salão de Festas da Incrível Almadense onde a Mostra começou em 1996, com a estreia às 21 horas da peça “O Escritor que não lia livros” pelo Cénico da Incrível Almadense e regressa ao Teatro-Estúdio António Assunção no primeiro Mostra.Ponto de encontro, com música de João Lima e João Dacosta.


MOSTRA.EXPOSIÇÃO
EXPOSIÇÃO COLETIVA COMEMORATIVA
20 ANOS MOSTRA
5 A 20 NOVEMBRO | TEATRO-ESTÚDIO ANTÓNIO ASSUNÇÃO
INAUGURAÇÃO 5 NOVEMBRO | 17H00
PATENTE AO PÚBLICO NOS DIAS DA PROGRAMAÇÃO

Cada Grupo traz um objecto, de um espectáculo, de um momento, de um instante. Com o objecto vêm memórias criadas também na Mostra, há mais ou menos tempo, dentro deste intervalo que são os 20 anos do evento. O conjunto expositivo é um pequeno exemplo do imenso espólio que a criatividade dos Grupos gerou e que o tempo guardou.






MOSTRA.HOMENAGEM
OBRIGADA, VITOR AZEVEDO
5 NOVEMBRO | TEATRO-ESTÚDIO ANTÓNIO ASSUNÇÃO | 17H30
Grupos de Teatro de Almada
e Câmara Municipal de Almada


Vítor Azevedo, com um percurso assinalável como ator e encenador do GITT - Grupo de Iniciação Teatral da Trafaria, é homenageado nos 20 anos da Mostra não só pelo seu contributo para o desenvolvimento da actividade teatral no concelho, mas também pela sua incansável militância pelo reconhecimento da qualidade e dignidade do teatro feito por amadores.






MOSTRA.DEBATE
6 E 13 NOVEMBRO | TEATRO-ESTÚDIO ANTÓNIO ASSUNÇÃO
ARTES PERFORMATIVAS: ONTEM, HOJE E AMANHÃ

O primeiro debate tem como intenção pensar, debater objetivos, métodos articulações e complementaridades, procurando criar sinergias propiciatórias de um melhor desempenho nestas áreas facilitando um aumento de qualidade e de proficiência, a formação de profissionais e de amadores, a elevação da literacia teatral e a diversificação dos públicos e do seu sentido crítico, efeitos benéficos na qualidade de vida e satisfação das pessoas e das comunidades.
Quanto ao 2º, pretende-se debater assuntos como a relação entre a tradição e inovação, forma de linguagem teatral clássicas e emergentes, relações com outras formas de arte, novos públicos, o papel das novas tecnologias, entre outros.

6 NOVEMBRO | DOMINGO | 18H00
  • CONTRIBUTOS PARA ESTRATÉGIAS DE DESENVOLVIMENTO
Moderação: Luzia Paramés
Convidados: Rodrigo Francisco, Fernando Jorge Lopes, Paulo Diegues, Rita Wengorovius e António Matos (Vereador da Câmara Municipal Almada)

13 NOVEMBRO | DOMINGO | 16H00
  • NOVAS LINGUAGENS
Moderação: Luísa Sousa
Convidados: João Garcia Miguel, John Romão, Miguel Moreira, Alexandre Pieroni Calado, Martim Pedroso


MOSTRA.PUBLICAÇÃO
A CIDADE DO TEATRO
19 NOVEMBRO | CASA DA CERCA | SÁBADO | 15h00
Com textos de Sarah Adamopoulos, Nuno Bernardo, Isabel Mões, António Vitorino e Xico Braga, fotografias de Vítor Cid e ilustrações de Rui Silvares, Luís Miranda, Ângela Luzia e João Lima. Uma iniciativa do Ninho de Víboras.

Nos 20 anos da Mostra de Teatro de Almada, um livro conta a história do fenómeno sociologicamente rico que faz de Almada uma frente nacional do teatro. Percorrendo os contextos histórico, político e social que o explicam, trata-se do primeiro estudo sobre o teatro e as artes performativas no Concelho. Inclui um levantamento fotográfico das salas de espectáculos e outros lugares que têm acolhido as criações da grande família teatral que a Mostra integra, um vasto conjunto de depoimentos testemunhais e faz a recensão biográfica dos cerca de meia-centena de grupos de teatro que participaram na Mostra desde a sua 1.ª edição.










MOSTRA.PONTO DE ENCONTRO
ESPAÇO DE CONVÍVIO ENTRE PÚBLICO E ARTISTAS
TEATRO-ESTÚDIO ANTÓNIO ASSUNÇÃO
CONCERTOS 51219 NOVEMBRO | SÁBADOS | 23H30

Habitual espaço de convívio da Mostra que decorre aos sábados durante as três semanas do evento, onde o público e os artistas são convidados a marcar encontro após os espetáculos no café-teatro do Teatro António Assunção com uma programação musical de João Dacosta.

5 NOVEMBRO | 75’
JOÃO DACOSTA E JOÃO LIMA
João Dacosta - Piano e voz | João Lima - Guitarra portuguesa e voz

Atravessámos um árido, longo e penoso deserto
Pântanos e areias movediças
Rasgámos montanhas de sublime envergadura
Fizemo-nos ao mar e...

12 NOVEMBRO | 60’
VEM VENENO
Carolina Miragaia - Voz e guitarra | João Pastor - Guitarra | Tomé Silva - Bateria
Gonçalo Cunha - Baixo

Concerto de estreia de uma banda formada por jovens músicos com versões que vão do grunge ao rock indie, misturadas com temas originais, sempre numa onda alternativa e no registo da cultura underground. Os Vem Veneno prometem apresentar um espetáculo cheio de energia, com temas cantados em inglês e português.

19 NOVEMBRO | 60’
OSTARA
Alexandre Gabriel: Harpa Céltica, Bouzouki Irlandês
Daniel Morgado: Cajón, Adufes e Percussões | Ricardo Ramos : Violino e Voz

A música celta vem do norte montanhoso ao encontro do calor do sul. Da fermentação de ambos resulta uma espécie de "Sintra destilada em forma de música", qual bruma solarenga ou clareira na floresta. De uma só orla assim se avista: Irlanda, Escócia, Bretanha, Portugal e Espanha. As cordas da harpa, do violino e do bouzouki afinam-se com o adufe e o cajón para um cântico digno de festim!