MTA

SOFIA DE PORTUGAL E ANA NAVE ENCERRAM A 19ª MOSTRA DE TEATRO DE ALMADA

As atrizes Sofia de Portugal e Ana Nave marcam presença na semana de encerramento da 19ª Mostra de Teatro de Almada que termina a 29 de novembro, com uma programação que inclui ainda cinco estreias, exposições e espaços de debate.

O Teatro ABC.PI apresenta a 24 e 25 de novembro, no Teatro-Estúdio António Assunção, a estreia de “Contos negros para os filhos dos brancos” com encenação da atriz Laurinda Chiungue, espetáculo dedicado à infância que aborda a inclusão e a multiculturalidade, a partir da obra homónima de Blaise Cendrars, num universo envolto na tradição oral africana.

“Deus já foi mulher”, encenação de Sofia de Portugal a partir do texto “A Confissão da Leoa”, de Mia Couto, estreia a 25 de novembro, às 21h30, no Cineteatro da Academia Almadense. Uma produção do Alpha Teatro que promove a inclusão de jovens com práticas teatrais, temática que traz a debate a 26 de novembro, às 18h, numa sessão aberta ao público com a participação de associações convidadas.

O Cénico da Incrível Almadense repõe a comédia do brasileiro Paulo Sacaldassy “Fulana, Sicrana e Beltrana” (27 novembro, 21h30) e o Artes e Engenhos ante-estreia no Teatro Municipal Joaquim Benite a 28 de novembro, às 21h30, “Dramas de Princesas. A Morte e a Donzela”, a partir de Elfriede Jelinek, numa dedicatória a Rogério de Carvalho, com encenação de Alexandre Pieroni Calado. Ator e investigador de Teatro que apresenta domingo, 29 de novembro, às 17h, no Teatro-Estúdio António Assunção, “Criação com Traços de Arquivo”, terceira e última tertúlia de um ciclo de perspetivas sobre o teatro na sua relação com a pedagogia, a ciência e o arquivo, em colaboração com o Dep. Ciências Sociais Aplicadas da FCT/UNL.

A exposição “Twisted Swan” integrada no projeto multidisciplinar de Maria João Garcia e Rodrigo Miragaia, pode ser vista na Escola Conde Ferreira até 28 novembro. A dois passos ao lado, no Teatro-Estúdio António Assunção, encontra-se patente ao público a exposição “O Grito: 20 anos de Teatro” até ao dia 29.

Sábado, 28 de novembro, a partir das 23h30, artistas e público da Mostra são convidados para um serão de poesia com a actriz Yolanda Alves no café-teatro do Teatro-Estúdio António Assunção.

Domingo, 29 de Novembro, o NNT – Núcleo Novo de Teatro, grupo universitário da Associação de Estudantes da FCT/UNL vencedor do prémio FATAL 2014, estreia uma nova criação de Susana Vidal intitulada “Quando é que vamos onde...” (19h, Cineteatro da Academia Almadense) e o Teatro na Gandaia estreia às 22h, no Auditório da Costa de Caparica, “Uma Tal Lisístrata”, a partir da comédia de Aristófanes, com encenação de Ana Nave, espetáculo que encerra a programação da 19ª Mostra de Teatro de Almada, um evento organizado anualmente pela Câmara Municipal de Almada em conjunto com os Grupos de Teatro que desenvolvem a sua atividade em Almada, sejam eles de carácter amador ou profissional. 

MOSTRA DE TEATRO DE ALMADA CONTINUA ATÉ 29 DE NOVEMBRO

A 19ª Mostra de Teatro de Almada continua até 29 de novembro com uma programação repleta de estreias, contando com exposições, formação e espaços de debate com entrada gratuita.

A abrir a 2ª semana do evento, as Produções Acidentais apresentam no Teatro-Estúdio António Assunção “Beremiz na Terra Plana” (quinta, 19 de novembro, 15h e 21h30), novo espetáculo de um ciclo dedicado à matemática com encenação da atriz Luzia Paramés, a partir de Edwin Abbott, Malba Tahan, Novais Neto, Clarice Lispector, André Hemerly, Millor Fernandes, Al Berto e António Cabrita. A exposição “O Grito: 20 anos de Teatro” está patente ao público neste Teatro Municipal até ao final da Mostra.

Crème de la Crème traz ao palco do Auditório Fernando-Lopes Graça “A Cadeira” (sexta, 20 de novembro, 21h30), espetáculo clown sobre a democracia, interpretado por Anabela Mira, com texto original em parceria com Hugo Gama.

Sábado, 21 de novembro, dirigido a agentes educativos e culturais realiza-se a ação de sensibilização “É de pequenino que se torce o racismo? E outros ismos” sobre a exclusão social na infância, pelo Prof. Dr. Ricardo Borges Rodrigues do ISCTE, às 10h30, na Casa da Cerca (inscrições até 19 novembro). Às 16h30 e 21h, “De Seda”, criação de Marina Nabais Dança em coprodução com a Culturgest chega a Almada, ao Teatro-Estúdio António Assunção, após estreia na abertura do Festival IF Barcelona. Às 21h, estreia “Refuga” no Cineteatro da Academia Almadense, uma encenação de Cláudia Negrão em que alunos do Grupo de Teatro interpretam jovens refugiados nesta peça de Abi Morgan, escrita em 2008 para o National Theatre Connections de Londres. Às 22h30, estreia o projeto multidisciplinar de Maria João Garcia e Rodrigo Miragaia, “Twisted Swan” (Escola Conde Ferreira), que se desdobra numa performance e numa exposição patente até 28 novembro. Nessa mesma noite, a partir das 23h30, ao som de música ao vivo, há mais um ponto de encontro de artistas e público da Mostra no café-teatro do Teatro-Estúdio António Assunção.

Domingo, 22 novembro, às 19h, o Grupo de Teatro da Associação Cultural Manuel da Fonseca estreia no Auditório da Pluricoop, no Pragal, um texto inédito do dramaturgo almadense Ferrer Asturiano, “Na minha terra isto acontece - O tango da tanga”, com encenação de Gisela Barroso. Às 17h, realiza-se no Teatro-Estúdio António Assunção a tertúlia “Oxigénio” por Ana Carneiro, sobre a peça de Carl Djerassi e Roald Hoffmann, integrado num ciclo dedicado a perspetivas sobre o teatro na sua relação com a pedagogia, a ciência e o arquivo, em colaboração com o Dep. Ciências Sociais Aplicadas da FCT/UNL. Às 21h30, estreia no Auditório Fernando-Lopes Graça, “Um Carimbo para a Viagem” pelo Teatro & Teatro do Mundo do Espectáculo, comédia de dois autores espanhóis, José Cedena e Rafael Mendizábal, com encenação de Manuel João.

Na última semana da Mostra (22 a 29 de novembro), as atrizes Laurinda Chiungue (Teatro ABC.PI), Sofia de Portugal (com Alpha Teatro), Susana Vidal (com Novo Núcleo de Teatro) e Ana Nave (com Teatro na Gandaia) marcam presença na Mostra com encenações que estreiam nesta 19ª edição. O Cénico da Incrível Almadense repõe a comédia do brasileiro Paulo Sacaldassy “Fulana, Sicrana e Beltrana” e Artes e Engenhos ante-estreiam no Teatro Municipal Joaquim Benite, “Dramas de Princesas. A Morte e a Donzela”, a partir de Elfriede Jelinek, numa dedicatória a Rogério de Carvalho, com encenação de Alexandre Pieroni Calado. 

19ª MOSTRA DE TEATRO DE ALMADA COMEÇA A 12 DE NOVEMBRO

A 19ª Mostra de Teatro de Almada começa a 12 e decorre até 29 de novembro com uma programação que inclui 10 estreias, num total de 19 espetáculos, entre textos inéditos e autores diversos, para além de exposições, formação, debate e tertúlias, em 12 salas de Almada, do Teatro Municipal Joaquim Benite ao Auditório Costa da Caparica, numa organização conjunta da Câmara Municipal de Almada e dos Grupos de Teatro locais amadores e profissionais.

A abertura da 19ª edição realiza-se no Teatro-Estúdio António Assunção a 12 de novembro, quinta-feira, às 21h30, com a apresentação da mais recente criação de O Grito a partir do conto homónimo de Herberto Helder, uma dramaturgia e encenação de Anabela Neves, seguido da inauguração da exposição documental “O Grito: 20 anos de Teatro”, patente ao público ao longo da Mostra.

A Mostra prossegue com “Einstein” pelo Teatro Extremo (sexta-feira, 13 de novembro, Teatro-Estúdio António Assunção) dez anos após a sua estreia, uma peça que traz ao palco o cientista com humor e simplicidade, da autoria do canadiano Gabriel Emanuel, encenação do ator brasileiro Sylvio Zilber e interpretação de Fernando Jorge Lopes.

Sábado, 14 de novembro, às 21h, o Cénico da Incrível Almadense apresenta no Salão de Festas “Pathelin, O Patife”, uma comédia de costumes inspirada na peça francesa do séc. XV de autor desconhecido, com encenação de Eugénia Conceição. Segue-se às 22h30, no Teatro-Estúdio António Assunção, o espetáculo “A Festa” pelos Actos Urbanos, uma nova produção do Teatro de Areia/O Mundo do Espectáculo, criação coletiva sobre a Europa atual, dirigida e encenada pela atriz Joana Sabala, com conceção dramatúrgica da escritora Sarah Adamopoulos e máscaras da artista plástica Catarina Pé-Curto.

Domingo, 15 de novembro, às 11h, estreia no Cineteatro da Academia Almadense o musical para toda a família “Annie” do compositor Charles Strouse, uma encenação de Diogo Novo para o Grupo de Teatro Musical daquela associação centenária. Às 21h30, o GITT apresenta nos Recreios Desportivos da Trafaria “Suave como Fio de Azeite”, uma comédia sobre o sentido da vida de Carlos Alfredo Amaral, articulada com o conto de Eça de Queirós “O Suave Milagre”.

Para além dos espetáculos, a organização promove espaços de encontro e partilha entre artistas e público com entrada gratuita. Sábado, 14 de Novembro, a partir das 23h30, Karas propõe um serão no café-teatro do Teatro-Estúdio António Assunção, ao som de discos de Goma-Laca para escutar músicas que apaixonaram vidas anteriores às nossas. Domingo, 15 de Novembro, às 17h, realiza-se a tertúlia “Das mandíbulas do quotidiano” por Christopher Auretta, ciclo dedicado a diferentes perspetivas sobre o teatro na sua relação com a pedagogia, a ciência e o arquivo, em colaboração com o Dep. Ciências Sociais Aplicadas da FCT/UNL. Encontram-se abertas as inscrições para o workshop de “Construção do Personagem” de Yolanda Alves do Teatro de Papel e para a formação “É de pequenino que se torce o racismo?” com o Prof. Dr. Ricardo Borges Rodrigues do ISCTE.

Até ao final do mês, atuam ainda na Mostra: Produções Acidentais, Crème de la Crème, Marina Nabais - Dança Associação Cultural, Grupos de Teatro da Academia Almadense e da Associação Cultural Manuel da Fonseca, Ninho de Víboras, Teatro & Teatro do Mundo do Espectáculo, Teatro ABC.PI, Alpha Teatro, Cénico da Incrível Almadense, Artes e Engenhos, Novo Núcleo de Teatro e Teatro na Gandaia.